Definição de drive

Na psicanálise , a pulsão é a energia psíquica profunda que direciona a ação para um fim, descarregando-se para alcançá-la . O conceito refere-se a algo dinâmico que é influenciado pela experiência do sujeito. Isso marca uma diferença entre pulsão e instinto , que é congênita (herdada pela genética ).

O instinto é caracterizado por nos levar a procurar objetos imóveis para alcançar a satisfação. A unidade, por outro lado, não possui um objeto predeterminado; pelo contrário, está ligado a forças que derivam das tensões somáticas do ser humano , com diferentes fontes e possíveis formas de manifestação.

A noção de pulsão foi desenvolvida pelo austríaco Sigmund Freud no final do século XIX, quando começou a refletir sobre comportamentos humanos que vão além do instintivo e que podem até mesmo contradizê-lo.

Dessa maneira, Freud estabeleceu que a pulsão é a tensão corporal que tende a objetos diferentes e que é descarregada ao acessá-los, ainda que momentaneamente, já que a pulsão nunca é completamente satisfeita.

O pai da psicanálise distinguiu vários momentos do impulso, como a fonte (a origem que reside no somático), o esforço ou drang (a tensão que resulta no impulso), o objetivo (no estado passivo ou ativo) e o objeto (que diminui temporariamente a tensão).

Para alguns psicanalistas, os impulsos se originam da falta original de um objeto instintivo. Essa falta faz com que o desejo seja traduzido em impulsos, que são direcionados para objetivos momentâneos. Uma vez atingido esse momento, a unidade reinicia o processo.

De acordo com a teoria clássica de Freud, todo impulso é concebido como um derivativo de um chamado basal , que faz fronteira com o instintivo; Tal é o caso da pulsão de vida , que tem como objeto a preservação da própria existência. À medida que o sistema nervoso de cada pessoa amadurece, ocorre uma série de fases ou estágios instintivos, em cada um dos quais há um desenvolvimento neurológico bem definido em áreas que mais tarde serão erógenas (aquelas que têm mais sensibilidade e que buscam estimule sexualmente o assunto).

Vamos ver as seis primeiras fases, reconhecidas por Freud através de seus estudos:

1- Oral : ocorre entre o nascimento e o primeiro ano e meio de vida . A boca é praticamente a única zona erógena, pois o sujeito começa a orientar seu psiquismo em um objetivo claro: alimentar-se;

2- Anal : de um ano e meio a três anos, e como resultado do crescente controle dos esfíncteres do ânus, a criança sente prazer diante da possibilidade de controlar seu próprio corpo, que neste caso é alcançado pela decisão de reter ou deixar sair a matéria fecal;

3. Fálico : também chamado uretral , ocorre entre três e seis anos de idade. Durante essa fase, o indivíduo adquire o controle de seus esfíncteres uretrais e isso representa uma antecipação do que, mais tarde, será a fase genital. Segundo Freud, é nesse estágio que se edifica o edipo de cada pessoa, embora isso não signifique que ela termine, pois é um elemento presente de forma ativa ao longo da vida;

4- Complexo de castração e sepultamento do complexo de Édipo : neste momento é provável que ocorra uma ruptura, razão pela qual é um momento muito importante para o desenvolvimento do aparato psíquico. É um processo que serve para reorganizar experiências e papéis, bem como os próprios impulsos;

5- Período de latência : até atingir a puberdade, e a partir dos seis anos, há uma sublimação intensa e espontânea dos sentimentos da libido, o que facilita a integração na cultura;

6 - Genital : a partir da puberdade , uma vez estabelecido o Édipo, os interesses sexuais (parte do qual é a inclinação sexual ) começam a se desenvolver.

border=0

Procurar por outra definição